Seguidores

sexta-feira, 3 de julho de 2015

LAMPIÃO O CANGAÇO E SEUS SEGREDOS

 Por Sabino Bassetti

"Lampião - O Cangaço e seus Segredos"

O mais novo lançamento do espetacular pesquisador e escritor SABINO BASSETTI

IMPERDÍVEL !!!

Faça seu pedido diretamente com o autor, através do e-mail:
sabinobassetti@hotmail.com

R$ 40,00 (Quarenta reais)

com frete já incluído, e será enviado devidamente autografado pelo autor, para qualquer lugar do país.


http://blogdomendesemendes.blogspot.com

O cantor João Mossoró fará show no dia 04 de Julho de 2015 no Rio de Janeiro


O cantor João Mossoró fará show amanhã (sábado), dia 04 de Julho de 2015, 
no Rio de Janeiro, no bairro Benfica no"Mercadão Cadegue".
Uma festa portuguesa,  no "Cantinho das Concertinas".



Será uma festa bastante animada, quando o artista cantará as suas mais lindas canções.

Você que mora no Rio de Janeiro prestigie o artista, participando do seu show.

http://blogdomendesemendes.blogspot.com

COMUNICADO

Por Geraldo Antônio de Souza Júnior
 
Prezados (as) amigos (as), durante essa semana tivemos a grata e imensa satisfação de sermos recebidos na casa de Bruno Azevedo, diretor da Trilogia que apresentará nas telas do cinema a saga de Lampião, o mais famoso e temido cangaceiro de todos os tempos.

Segundo nos informou o Diretor Bruno Azevedo, a vida do cangaceiro será apresentada em uma Trilogia de filmes, que obedecerá a seguinte ordem de apresentação:

1º - LAMPIÃO - O FILME - Que apresentará a vida de Lampião durante o cangaço.

2º - CORISCO - O FIM DE LAMPIÃO - Que apresentará desde a morte de Lampião até a vingança promovida pelo cangaceiro Corisco, seu antigo aliado.

3º - DE VIRGULINO A LAMPIÃO - Que mostrará a vida do jovem Virgulino Ferreira até ele se tornar Lampião, o cangaceiro mais temido de todo o Nordeste, durante as primeiras décadas do século passado.

Um trabalho que está sendo desenvolvido por pessoas sérias e comprometidas e que possui um grande e talentoso elenco de atores e atrizes que farão a grande diferença no resultado final dessa produção, que retratará a vida de um dos maiores mitos do Nordeste brasileiro.

Durante a nossa visita gravamos entrevistas com o Diretor Bruno Azevedo e com Paulo Goulart Filho (Paulinho) que interpretará o Rei do Cangaço na Trilogia, que por sinal demonstrou muito talento, inteligência, simpatia e comprometimento com o trabalho que está sendo desenvolvido.

Em breve estaremos disponibilizando as entrevistas que foram gravadas, para que todos (as) vocês possam ter acesso às informações e detalhes sobre a produção dos filmes.

AGUARDEM!!!!!!!!!

Fonte: facebook
Página: Geraldo Antônio de Souza Júnior (Administrador) - O Cangaço

http://blogdomendesemendes.blogspot.com

TRABALHO FANTÁSTICO DO AMIGO ADEILDO MONTEIRO, DA CIDADE DE CORRENTES-PE, ACREDITEM É FEITO COM JORNAL.











Fonte: facebook

http://blogdomendesemendes.blogspot.com

quinta-feira, 2 de julho de 2015

CANGAÇO ECOS NA LITERATURA E CINEMA NORDESTINOS


Professora: Vera Figueiredo Rocha

A literatura presta uma imensurável contribuição ao estudo, pesquisa e divulgação da história e cultura nordestina, especialmente ao Cangaço, Coronelismo, Misticismo e temas afins.


No presente trabalho, a professora Vera Figueiredo Rocha faz uma análise séria, competente e esclarecedora das obras literárias: “Coiteiros”, de José Américo de Almeida; ”Cangaceiros” e “Pedra Bonita”, de José Lins do Rego; “O Cabeleira”, de Franklin Távora e “Sem Lei, nem Rei”, de Maximiano Campos; além dos roteiros dos Filmes: “O Cangaceiro”, de Lima Barreto; “Deus e o Diabo na Terra do Sol”, de Glauber Rocha; “Corisco e Dadá”, de Rosemberg Cariry e “Baile Perfumado” de Hilton Lacerda, Paulo Caldas e Lírio Ferreira. 

A autora utiliza uma responsável e lúcida exegese para extrair, dessas obras, os fatores condicionantes e características marcantes do fenômeno do Cangaço, como a seca, injustiças, ausência do Estado nos setores vitais da sociedade, a violência, vingança, crueldade, código de honra, sofrimento e traições.

É importante destacar que, a autora procurou ser fiel, nas suas análises na medida do possível, às construções e desenvolvimento dos textos e Roteiros das obras em epígrafe, mesmo que venha contrariar, em alguns momentos, seus próprios conceitos e de outros estudiosos do assunto. Como por exemplo, a afirmativa, nas obras analisadas, que Lampião praticou um cangaço de vingança, conceituação que não se coaduna com a convicção da grande maioria dos estudiosos deste fenômeno.

Numa leitura sistemática e criteriosa, podemos constatar que a autora procurou, com responsabilidade e competência, agregar ao seu trabalho, uma sólida fundamentação teórica, recorrendo a renomados escritores, como Gilberto Freyre, Roberto Damatta, S. Freud, Frederico Pernambucano, Gustavo Barroso, Antônio Amaury, E. J. Hobsbawan e Djacir Menezes, entre outros.

O Título da segunda parte “O Imaginário do Cangaço na Literatura do Nordeste”, sintetiza , com maestria, o núcleo desse extraordinário trabalho. Sua leitura contribui com o esclarecimento de muitos pontos complexos do fenômeno do cangaço.

Para finalizar as minhas observações e reflexões, chego à conclusão de que a literatura de cordel, a poesia dos poetas repentistas, os roteiros dos filmes e os romances, contribuíram para a formação do imaginário popular sobre a figura e as ações dos cangaceiros e a consequente construção do Herói e do mito, tratados na segunda e terceira parte desse trabalho, com muita lucidez.

Uma proveitosa leitura, a todos!
Francisco Pereira Lima (Prof. Pereira)

Nota: Como adqurir esta obra: Entre em contato com o professor Pereira lá de Cajazeiras, no Estado da Paraíba através deste e-mail: franpelima@bol.com.br

http://blogdomendesemendes.blogspot.com


A ACÇÃO DA POLICIA CONTRA CANGACEIRISMO


Fonte: facebook
Página: Cap Cangaceiro

http://blogdomendesemendes.blogspot.com

VEJAM COMO FOI A PRIMEIRA VISITA DE LAMPIÃO A POÇO REDONDO, POVOADO DE PORTO DA FOLHA-SE


O bando deixou Arrastapé no dia 18 de abril, passou pelas fazendas Riacho e Malhada da Caiçara, varou pelas caatingas de Santa Brígida e entrou em Sergipe, indo pernoitar na fazenda Pedra d’Água, perto de Canindé. No dia seguinte, os cangaceiros acordaram cedo, arrearam os cavalos e tocaram em direção a Poço Redondo. Embora Lampião já tivesse entrado em Sergipe pelo menos duas vezes, esse fato era desconhecido em Poço Redondo, um povoadozinho com umas trinta casas separadas umas das outras, na beira do Riacho Jacaré, afluente do São Francisco.

Naqueles ermos, não havia rádio nem telégrafo, as notícias corriam devagar. Ouvia-se falar nas estripulias de um cangaceiro chamado Lampião, mas isso era lá para os lados de Pernambuco ou Paraíba, lugares que ninguém nem sabia para que lado ficavam, terras tão longínquas que para os matutos era como se ficassem no estrangeiro. De modo que no Poço ninguém podia imaginar que o temível cangaceiro se encontrasse em Sergipe, e mais precisamente a caminho daquele povoado pobre, perdido nos cafundós.

No dia 19 de abril de 1929, o arraial estava em festa, pois, conforme acontecia pelo menos uma vez por ano, seria ali celebrada uma missa pelo padre Artur Passos, de Porto da Folha. O vigário, um homem já velho, ranzinza, malcriado e mandão, já se encontrava no Poço desde a tarde do dia anterior. Estava hospedado na casa de Teotônio Alves, conhecido como China, descendente de uma das famílias fundadoras do lugarejo, os Garra. China, casado com dona Marieta Alves de Sá, era considerado um homem rico: era dono da fazenda Recurso e tinha uma bodega no povoado, onde vendia de tudo – jabá, café, açúcar, sal, pimenta-do-reino, rapadura, cocada, querosene, fumo de rolo, alpercatas, perfume, remédio e, claro, cachaça.

Naquele dia, muita gente acordou cedo, ansiosa pela festa. João Cirilo e Miquéias foram os primeiros a entrar na bodega de China e, para aproveitar o dia, ainda em jejum, já tinham tomado os primeiros goles de pinga, a fim de limpar o estômago. Entre uma conversa e outra, escutaram um tropel de cavalos. Quando olharam, viram uns cavaleiros estranhos vindo pela estrada de Curralinho. Os cavaleiros pararam em frente à bodega. As roupas sujas de terra indicavam que aqueles homens não vinham por causa da festa. Apesar de usarem chapéus de couro, não pareciam ser vaqueiros, pois vaqueiros não carregavam armas, e aqueles tinham fuzis atravessados nos cabeçotes das selas e deixavam entrever os cabos de grandes punhais metidos nas bainhas, sobre as vestes suadas. Um deles adiantou o cavalo, deu bom-dia e perguntou se era ali a casa de China. O próprio China respondeu ao cumprimento e identificou-se. Então o estranho apresentou-se, amistosamente, mas sem perder o tom severo do rosto:

Colorida pelo professor e pesquisador do cangaço Rubens Antonio

– Munto prazê, seu China! Me dero boas informação sobre o sinhô. Eu sou o Capitão Virgulino Ferreira, vurgo Lampião.

China e os companheiros quase caíram para trás com o susto. Dona Marieta, que ia chegando naquele instante, preocupada com os preparativos da festa, ao ouvir a terrível revelação pensou logo no padre, que ainda estava dormindo, alarmada com o que aqueles malfeitores poderiam fazer com ele.

Percebendo o vexame, Lampião disse que não precisavam ter medo, pois estava ali de passagem, não iria fazer mal a ninguém, só queria descansar um pouco e comer alguma coisa. Dito isto, desmontou do cavalo, no que foi seguido pelos outros cangaceiros.

Enquanto os homens amarravam os animais nas árvores, China, ainda atordoado com aquela situação, foi providenciar cadeiras para os recém-chegados. João Cirilo e Miquéias se prontificaram a ceder seus tamboretes, na esperança de poder cair fora, mas Lampião mandou que se sentassem:

– Tem cadera pra todo mundo, rapazes, nun tão veno qui seu China é home privinido? Fiquem aí!China trouxe um banco e algumas cadeiras.

Percebendo que dona Marieta ainda estava meio atarantada, Lampião voltou a explicar, falando para o marido:

– Seu China, diga a sua muié qui ninguém vai fartá cum respeito na sua casa. Diga a ela qui pegue suas fia, tranque no quarto e bote a chave no bolso.

China, sabendo por que sua mulher estava tão ansiosa, resolveu expor logo o problema:

– Sabe o qui é, Capitão, mĩa muié tá munto preocupada purque o vigaro de Porto da Foia, o pade Artu Passo, tá hospedado aqui na mĩa casa... Ele veio celebrá missa, vai ter ũa festa hoje im Poço Redondo.

Diante de tão boa notícia, o rosto austero do Capitão Virgulino se alargou:

– Mais qui dia de sorte é esse, seu China! Fais tempo qui eu nun vejo um pade! E cadê ele?

– Tá durmino...

– Durmino ainda a estas hora? Apois vamo acordá ele, seu China!

China e sua mulher trocaram um olhar apreensivo. O padre Artur era notório pelo seu gênio forte, de homem destemido, acostumado a dar ordens e ser obedecido pelos matutos daquelas brenhas. Era capaz de querer dar um esbregue também no Capitão.

– Marieta – disse China, tentando desviar o assunto –, vá prepará um armoço reforçado pros nossos amigo.

Lampião deixou que a mulher fosse se desincumbir daquela providência, pois a lembrança do almoço era uma boa ideia, mas não esqueceu o assunto:

– Seu China, vamo acordá o pade. Daqui a pouco nóis vai simbora, e eu priciso sabê qui hora vai sê as reza.

Não tendo outra saída, China foi até o aposento onde o vigário estava dormindo. Lampião seguiu atrás. E foi o próprio cangaceiro quem chamou, com voz firme, mas respeitosa:

– Seu pade? Ô seu pade? Acorde, home, se alevante, tá na hora do café!...

Supondo que era China quem chamava, o vigário, que já estava acordado, respondeu, pachorrento:

– Já vou, China, já vou. Me desculpe. Eu estava muito cansado da viagem. Já estou velho. Não aguento mais andar a cavalo. Mas dormi bem, graças a Deus.

– Quem tá falano aqui nun é China não, seu vigaro – explicou o cangaceiro. – Aqui quem fala é o Capitão Virgulino Ferreira da Silva, vurgo Lampião!

O padre Artur, lá de dentro, acabando de vestir-se, admoestou:

– Que brincadeira é essa, China? Como é que você fala no nome daquele malfeitor, se comparando com um criminoso tão miserável?

Lampião não ligou para o insulto e continuou o diálogo:

– Nun se apuquente não, seu vigaro, mais quem tá falano é Lampião mermo, im carne e osso...

O padre Artur Passos nem respondeu, abriu a porta, já aborrecido com aquela brincadeira estranha do seu anfitrião, que nunca tinha sido de muitas intimidades, e, quando levantou os olhos, deu de cara com um homem de altura mediana, queimado de sol, usando um chapéu de couro cheio de espelhos, calçado de alpercatas de sola, com uma calça meio curta, mostrando as canelas longas e finas. Ao lado dele estava China, embasbacado, encolhido, e atrás dele dona Marieta, que segurava o braço do marido, como se nele pudesse encontrar alguma proteção. Foi ela quem quebrou o silêncio, explicando, como se fizesse as apresentações:

– Pade Artu, este home chegou aqui agora mermo, dizeno qui é Lampião, mais garante qui é de pais e nun vai matratá ninguém...

– De paz o quê, dona Marieta?! – respondeu o padre Artur, cônscio do que estava acontecendo, pois já tinha ouvido falar que Lampião havia fugido de Pernambuco –. A senhora já viu criminoso de paz? Seja ou não seja Lampião, um miserável deste está querendo é desgraçar com todo mundo!

Virgulino explicou, sem perder a calma:

– Seu vigaro, a muié de seu China falou certo. Eu tou pur aqui de passage, sou de pais, nun vou fazê má a ninguém, nun tenho inimigo aqui, e nun vou matratá quem nun é meu inimigo. O sinhô vai rezá missa?

– Por que você quer saber se eu vou ou não rezar missa? – perguntou o padre. – Isso é de sua conta?

– É qui se fô tê missa eu quiria assisti.

– Você endoideceu, foi? – exasperou-se o sacerdote. – Pois fique sabendo que um bandido como você, que vive matando e roubando cristãos, não assiste à minha missa de jeito nenhum!

– Pade, eu já diche...

– Mas eu também já disse, seu bandido atrevido e insolente, que não permito! Na missa quem manda sou eu! Na casa de Deus, cangaceiro não entra não!

Virgulino cedeu:

– Tá bom, seu pade, tá bom. Eu nun vou assisti a missa, já qui o sinhô nun qué.

Vieram nesse instante avisar que o café estava pronto. China convidou todos para comer, sem saber como se sairia agora.

O precavido Lampião cuidou das providências de praxe:

– Seu China, aqui tem delegacia?

– Tem não, seu Capitão – respondeu China.

O cangaceiro pensou um pouco. Falou de seus receios:

– Ói, vai tê festa hoje. Se o povo subé qui eu tou aqui, adeus festa, corre todo mundo, nun sei pur quê... Vou tê qui prendê esses dois cabra – referia-se a João Cirilo e Miquéias –, se não eles vão saí pur aí falano bestera...

China resolveu o problema: João Cirilo e Miquéias estavam convidados para comer também.

– Nun quero cumê não, seu China – disse João Cirilo –, eu tou sem apitite...

– Deixe de sê besta, home – interveio o Capitão –, você vai cumê, sim! Nun tá veno seu China cunvidá não?

Providencialmente, tudo deu certo: o velho padre, sem nenhuma objeção, sentou-se à mesa junto com os cangaceiros – o Padre Artur, Ministro de Deus, numa cabeceira, e o Capitão Virgulino, o Rei do Cangaço, na outra cabeceira.

O clima inicial de confronto havia-se dissipado. Os cangaceiros comeram calados. O padre, também.

Terminada a refeição – cuscuz com leite, macaxeira e carne de bode assada –, o padre Artur falou, como se estivesse dando continuidade a um diálogo silencioso:

– Virgulino, ouça bem o que eu vou lhe dizer. Como sacerdote, eu sou responsável pelo povo desta freguesia. Não vou permitir que você maltrate esta pobre gente. Escute isto: se algum dia você tiver coragem de judiar alguém por aqui, eu mesmo reúno gente e vou arrancar a sua cabeça, onde você estiver.

– Nun se avexe não, seu vigaro – respondeu o Capitão. – Tudo o qui eu quero é sussego. O povo daqui nun tem pur que tê medo deu. O meu poblema é cum os macaco. Sordados. Eles mataro meu pai im Alagoas. Mĩa mãe morreu de disgosto, tudo pur causa dos macaco e das oturidade, qui só considera cumo gente quem é rico. Quano mataro meu pai, eu cheguei a dizê qui se pudesse tocava fogo im Alagoas. Despois mataro meu irmão do meio, Livino, qui nóis chamava Vassoura. E despois mataro meu irmão mais véio, Antonho, qui eu chamava Isperança. Agora dos home só resta treis: eu, João e Zequié, aquele cabra ali – e apontou o dedo para Ezequiel. – João nun é cangacero, veve im Propiá, as veis passa uns tempo im Juazero do Meu Padim ou no Piauí, purque a nossa famia é munto grande, tem gente ispaiada no mundo todo. Eu e Zequié tamo cumprino a nossa sina. Aquele ali tamém é da famia – apontou para Virgínio.– O apilido dele é Muderno. Era casado cum mĩa irmã, chamada Angerca, qui morreu de ũa febre braba. O sinhô me chamou de bandido insulente. Mais eu digo uma coisa, seu pade. Eu nun sou ladrão. Quano eu quero ũa coisa, eu peço. Se ũa pessoa me ajuda, vira meu amigo. Se peço dimais e o sujeito me mostra qui num pude dá o qui eu quero, então eu abaxo o valô. Agora, tem ũa coisa qui eu nun perdoo: é traição! Se o cabra qué sê meu inimigo, seja! Se nun qué, nun seja! Eu respeito o home qui tem corage! Mais nun me atraiçoe! Eu nun tulero safadeza, o cabra se fazê de meu amigo na mĩa presença, mais nas mĩas costa se cunluiá cum os macaco, purque aí eu viro ũa fera, e se eu pudé pegar o fio da peste!...

– Olhe as palavras, Virgulino. Basta. Já andei lendo sobre você, conheço as suas justificativas, sei da morte do seu pai, enfim, toda essa situação. O problema é como você quer resolver as coisas. Pra tudo neste mundo tem um jeito, homem de Deus. Você não pode querer impor sua vingança diante do mundo todo, pois desse jeito a coisa não vai acabar nunca...

– Só mexo cum quem mexe cum eu.

Não estou certo disso, Virgulino. Você precisa parar com essa loucura, precisa tomar novo rumo na vida.

– Tá bem, seu pade. Agora, já qui o sinhô me dá esse conseio, eu lhe peço: deixe eu assisti a missa... É um pidido qui lhe faço...

O coração do padre Artur amoleceu.

– Vá. Pode ir. Só não pode é entrar armado na igreja.

Na sala ao lado, dona Marieta escutava a conversa, apegando-se a todos os santos que conhecia para que tudo terminasse bem. Ao perceber que não havia mais perigo, dados os termos do acordo que acabava de ouvir, correu até a casa da vizinha para contar a novidade. Assegurou à comadre que Lampião era um homem muito educado.

Num instante, todo mundo sabia da notícia: Lampião estava no Poço e ia assistir à missa. Quem pensou em se esconder mudou de ideia ao ver o padre Artur sair da casa de China são e salvo, e atrás dele os ilustres visitantes, descontraídos, afáveis, palitando os dentes.

Começava a chegar gente das redondezas para a missa – gente a pé, a cavalo, em carros de bois. Ao ouvirem a novidade, a reação de todos era a mesma: assombro, medo, curiosidade.

Aos poucos, o povo foi se aproximando, olhando de longe o movimento na casa de China. João Cirilo e Miquéias estavam bebendo cachaça com os cangaceiros, cheios de intimidades. Mandaram chamar os amigos, garantindo que Lampião era amigo do Padre Autur, ninguém precisava ter medo. Uns meninos passaram na frente da bodega e Lampião jogou moedas para eles. Quando os moleques chegaram em casa com aquele dinheiro todo, cessaram de vez os receios. “Eta home danado de bom é Lampião” – diziam.

Na hora da missa, a igrejinha estava lotada. Mesmo assim, quando Lampião chegou com seus homens, as pessoas deram um jeito, se espremeram, coube todo mundo. Lá fora ficou apenas um cabra, de vigia. Mas Lampião não cumpriu a promessa feita ao padre Artur: estavam todos armados e equipados.

Durante a celebração, ninguém prestou atenção ao padre. Mesmo os que estavam na frente davam sempre um jeito de se virar de vez em quando, a pretexto de qualquer coisa, para dar uma espiada nos cangaceiros. Lampião sabia rezar, ajoelhava-se nas horas certas, sentava-se ou ficava de pé nos momentos adequados, respondia até aos “Dominus vobiscum” – coisas que no Poço só dona Marieta sabia.

Depois da missa, os cabras dirigiram-se à casa de China, e o povo, já familiarizado com eles, foi atrás, formando-se um ajuntamento em frente à bodega. China não conseguia dar conta do movimento. Gente que nunca comprou nada em sua venda, de repente virou freguês.

O padre Artur estava preocupado. Desde o amanhecer, os cabras estavam bebendo. Cangaceiro é cangaceiro, ninguém se iluda. Tinha de mandar Lampião embora, antes que acontecesse uma desgraça. Resolveu deixar os batizados e casamentos para mais tarde. Depois de tirar os paramentos, foi bater na casa de China. Ao avistá-lo, Lampião foi ao seu encontro:

– Mais seu vigaro, veja o sinhô qui dia feliz! Só tá fartano ũa sofona! Cadê esse tá de Agenô Pitomba?

– Pois é, Virgulino, é justamente sobre isso que vim lhe falar. Você me disse que estava de passagem...

Lampião coçou o queixo, embaraçado. Estava gostando daquele lugar. Depois dos batizados e casamentos ia ter festa. João Cirilo tinha dito que à noite ia ter um baile de arromba, o sanfoneiro era Agenor Pitomba. E outra coisa: nunca tinha visto tanta mulher bonita. Tudo doidinha por folia, que mulher é bicho danado pra gostar de cangaceiro. Mas, que fazer? Não se desrespeita um padre, pois ai do vivente que for excomungado por um padre, vai direto pras profundas dos infernos.

– Pade Artur, o qui eu prometi ao sinhô eu cumpro. – E, dizendo isso, alteou a voz: – Mininos, venham se dispidi e pidi a bença ao pade! Zequié, venha cá. Você tamém, Virgino. Cadê o resto?

O Capitão levou o padre até os outros cangaceiros, que estavam se divertindo entre o povo, olhando de longe para as mocinhas, como quem não quer nada. No alpendre de uma casa estavam as filhas de Antônio Marques e de Lé Soares. Uma das filhas de Lé não tirava os olhos do cangaceiro Mariano. E o cangaceiro também estava de olho nela. Naquele instante Mariano estava conversando com um vaqueiro, perguntando quais eram os homens ricos do povoado, além de Julião, um velho que era proprietário de muitas terras, porém sovina como o diabo. Lampião apresentou o companheiro:

– Este aqui, seu pade, é Mariano, cabra bom, anda cumigo fais munto tempo, é fio dum lugá chamado Afogados da Ingazeira, im Pernambuco, lá pras banda do Pajeú, o mermo lugá onde nasceu Antonho Silvino, de quem na certa o sinhô já viu falá. Se dispeça do pade, Mariano.

O próximo a despedir-se foi um cangaceiro avermelhado, de cabelo claro, feições firmes:

– Esse aí é Luís Pedo, seu vigaro. Ele num gosta de apilido. É cuma se fosse um irmão meu. É tamém de Pernambuco. E aquele ali é da Quixaba, se chamava-se Anjo Roque e agora é Labareda, derna de onte qui tá cum nóis. Aquele outo é Zé Furtaleza. Os outos dois são primo, é Curisco e Arvoredo. E agora venha vê um segipano. Dexei ele pro fim de proposto. É o premero cabra de Segipe a me acumpanhá. Nóis chama ele de Vorta Seca.

O padre Artur ficou chocado com o que via. O cangaceiro sergipano não passava de um menino, um mulatinho de olhos vivos e jeito brincalhão que nem fios de barba tinha ainda. O vigário perguntou a idade dele.
– Onze ano – respondeu o garoto.

– Deus misericordioso!... – balbuciou o velho padre, condoído com tão terrível desgraça. – Uma criança...

– Criança!? – contrapôs Virgulino. – Nun se ingane não, pade Artu. Esse muleque, com essa carinha de besta, tem corage de fazê coisa qui até o diabo duvida! Nasceu pra sê cangacero!

O Capitão levantou o rosto, consultando a posição do Sol, e decidiu que era hora de tomar a estrada. Pegou o apito que levava amarrado com uma tira de couro à cinta do cantil e soprou forte duas vezes, chamando os cabras.

– Vou simbora, pade Artu. Até mais vê. Adiscurpe os mau jeito.
– Deus o leve, Virgulino. Pense no que eu lhe falei. Arranje um jeito de largar essa vida. Procure o coronel João Maria, da Serra Negra. Ou o coronel Antônio Caixeiro, da Borda da Mata. Diga que falou comigo. Eles podem lhe ajudar.

– Munto obrigado, seu pade.

Enquanto Lampião ia falar com China, o padre Artur Passos procurou Volta Seca, que já estava montado, junto com os companheiros. Estava sinceramente preocupado com o destino daquele pobre menino. Segurando as rédeas do cavalo do garoto cangaceiro, o padre perguntou:

– Meu filho, por que você deixou sua família, para seguir essa vida?

– Eu nun tenho famia. Meu pai agora é Lampião.

– Você tem certeza de que é essa a vida que quer ter?

Embora a pergunta fosse feita a Volta Seca, quem respondeu foi Mariano, que estava perto, escutando a conversa:

– Ninguém é cangacero purqui gosta, seu vigaro. Nóis nun tem outo jeito não. A nossa vida é esta.

– E vocês não têm medo das forças do governo?

– Medo de macaco? Nóis? Os macaco é qui se pela de medo da gente, home!

A conversa de Lampião com China foi reservada. O Capitão estava interessado em coisas práticas. Queria saber se Aracaju ficava longe e se em Itabaiana havia muitos macacos.

– Capitão, se o sinhô tá pensano im ir pro Aracaju, pode mudá de ideia, purque fica nos confim do mundo. Tabaiana é a merma coisa. Lá quem manda é o coroné Dorinha, e a cidade tem mais sordado do qui gente!

– Seu China, quem foi qui diche qui eu quero ir pra Aracaju? Daqui eu vou é pra Serra Nega! Agora, mudano de assunto, eu quero qui o sinhô me conte aí a histora de uma butija qui o sinhô achou.

China tomou um susto. Até isso tinham contado a Lampião?!

– Butija, seu Capitão? – perguntou China, se fazendo de desentendido.

– Me conte a histora da butija, seu China – insistiu o cangaceiro. – O sinhô achou ou nun achou ũa butija?

– Ah, sim, a butija... Já lhe falaro disso pro sinhô, é? Foi coisa sem importança, Capitão. Eu tive um sonho, ũa arma do outo mundo dizeno onde tinha um dinhero interrado nũa casa véia.

– E tinha dinhero mermo, seu China? Quanto?

– Ũa bobage, Capitão. Era ũas mueda do tempo antigo, qui nun circulava mais, nun valia de nada...

– Foi isso mermo qui me dichero, seu China. Eu tava só quereno uvi a histora de sua boca. E agora vou simbora. Diga a dona Marieta qui adiscurpe o trabaio qui nóis deu a ela. Munto obrigado pur tudo.

– Eu é qui agardeço, Capitão.

Saindo do interior da casa, Lampião soprou o apito novamente e dirigiu-se ao cavalo. Aumentou o alvoroço. As pessoas esticavam-se na ponta dos pés para ver mais uma vez o Capitão Virgulino, que estava indo embora. As moças apinhavam-se nas portas e janelas. Dizia-se que Volta Seca tinha dado um de seus muitos anéis a Mocinha de Dedé, e ela agora mostrava o presente às amigas, que morriam de inveja.

China veio falar de novo com Lampião, que já considerava seu amigo:

– Capitão, gostei munto do sinhô. Se argum dia vosmicê vinhé de novo pur aqui, a casa tá as suas orde. Se eu nun tivé aqui, tou no terreno. Tenho ũas terrinha num lugá chamado Recurso, logo aí na saída da rua.

– Eu já sabia, seu China. Mais é assim qui se fala. Tou veno qui o sinhô é um cabra macho. Cum certeza vou vortá outas veis aqui. Até mais vê!

O Rei do Cangaço, imponente em sua montaria, acenou para o povo de Poço Redondo. Os cangaceiros esporearam os cavalos, fazendo cabriolas, mostrando destreza, e dispararam a galope pela estrada que ia para a Serra Negra. O povo ficou olhando o bando se afastar levantando uma nuvem de poeira.

Todos estavam maravilhados com os modos gentis do Capitão cangaceiro. A partir dali, os mais velhos teriam muito que contar, muito assunto para os encontros com os amigos. E os mais novos teriam razões para sonhar de olhos abertos, imaginando novas perspectivas em suas vidas. Devia ser maravilhoso viver como cangaceiro, ficar famoso, ter dinheiro, ter mulheres, ser temido e adulado aonde chegasse, podendo fazer o que quisesse na vida, como Volta Seca, que aos onze anos de idade já era homem!...

Em vez de ir para a Serra Negra, como dera a entender ao sair de Poço Redondo, logo adiante o astuto cangaceiro mudou de rumo, pegando a estrada de Monte Alegre.”

* * *
O texto acima, entre aspas, é reprodução literal do capítulo 95 de Lampião – a Raposa das Caatingas. No capítulo 174, faço considerações acerca das circunstâncias que levaram Poço Redondo a ser identificada como “A Capital do Cangaço”.


ADENDO - http://blogdomendesemendes.blogspot.com

A 2ª edição continua sendo vendida através dos endereços abaixo:

josebezerra@terra.com.br
(71)9240-6736 - 9938-7760 - 8603-6799 
Pedidos via internet:
Mastrângelo (Mazinho), baseado em Aracaju:
Tel.:  (79)9878-5445 - (79)8814-8345
E-mail:   lampiaoaraposadascaatingas@gmail.com 

Clique no link abaixo para você acompanhar tantas outras informações sobre o livro.

http://araposadascaatingas.blogspot.com.br 

Fonte: facebook

http://blogdomendesemendes.blogspot.com

NAS VEREDAS DA COLUNA PRESTES: PREPARANDO A MEMÓRIA PARA OS 90 ANOS DA PASSAGEM DOS REVOLTOSOS

Material do blog Tok de História do historiógrafo Rostand Medeiros
Percorrendo o caminho da Coluna Prestes no município de Luís Gomes – RN, parada para um cafezinho no Sítio Imbé, aqui o alto comando da Coluna Prestes, os “Revoltosos” para os sertanejos, esteve e foi recebida por Baltazar Meireles.

Município de Luís Gomes – RN se movimenta para lembrar a passagem dos “Revoltosos” – Feliz em saber que nosso trabalho está ajudando esta empreitada, que agora apresento no nosso Tok de História

Autor – Ciro Leandro

No próximo ano de 2016 completa-se 90 anos da passagem da Coluna Prestes, maior marcha da história mundial, pelo Rio Grande do Norte, pelos municípios de São Miguel e de Luís Gomes. Apenas estes foram palco e cenário deste acontecimento histórico, marcante na memória coletiva de muitas gerações que presenciaram o fato ou que cresceram ouvindo os relatos orais.

Junto ao Sr. Antônio Belo, do Sítio Tigre, que em agosto de 2009 me deu um fantástico depoimento

Nas aulas de campo das disciplinas de História do Brasil, Geografia e Cultura do RN, decidimos seguir os passos da Coluna Prestes, conhecer os lugares por ela invadidos, as construções da época e sua localização geográfica. Inicialmente chegamos ao pequeno povoado do Barro Vermelho, que embora não fizesse parte do roteiro da Coluna de Revoltosos, não podia ficar de lado. Segundo a tradição moral, quando o senhor Otávio de Andrade Nunes foi construir a capela do povoado em honra a Nossa Senhora dos Milagres, ao cavar o barro para usar na construção da capela, encontrou um antigo cemitério de escravos. Também segundo a mesma tradição há entre a capela e a casa deste falecido senhor uma marca de pedras que seria uma antiga base para uma igreja que seria construída pelos escravos.

Após essa pesquisa em que os alunos se sentiram arqueólogos ao tocarem as pedras e as ruínas, demos continuidade a aventura.

Seguimos para o Imbé no sentido de conhecer o secular casarão que hospedou o Estado-Maior Revolucionário da Coluna Prestes no dia 4 de fevereiro de 1926. O casarão que pertencia ao Major Baltazar Meireles na época da passagem ainda guarda traços arquitetônicos do tempo da revolução. As paredes largas chamaram a atenção dos alunos, as portas, batentes, os quartos antigos, o alpendre recorada um grupo de homens armados que lá pernoitaram. Na passagem pelo Imbé, segundo o professor e folclorista Raimundo Nonato em seu livro Os Revoltosos em São Miguel – 1926, obra que deve ser referência nos estudos de história e cultura do nosso estado, os revoltosos se desentenderam com o proprietário da antiga fazenda e quase o fuzilaram.

Antônio Belo, quase centenário em 2009, fumando seu cigarrinho de palha na sua rede.

O major e alguns homens tinham ido fazer a defesa da vila de Luís Gomes quando um portador da sua fazenda foi chamá-lo avisando que os revoltosos estavam em sua casa sede da fazenda. N manhã do dia 5 ao chegar a casa se aproximam do major Miguel Costa, Prestes, Siqueira Campos e Moreira Lima que explicam a devida situação. Depois mandar prender em um quarto Baltazar juntamente com 15 homens, filhos de moradores da fazenda e do sítio vizinho Monte Alegre, junto com o subdelegado Pedro Rufino Isto ocorreu na manhã do dia 5. À tarde os prisioneiros forma chamados e foi explicado o objetivo da coluna diante da situação do Brasil. Após esse diálogo começaram a subir a serra, ficando ainda na fazenda grupos menores que se consideravam pouco armados. No Imbé haviam saqueado da casa sede e do armazém legumes, rapaduras e mataram gado bovino e galinhas.
Na cidade continuaram as ações revolucionárias, saqueando casas comerciais, como a loja de tecidos de Gaudêncio Torquato. As famílias haviam se retirado da vila e só voltaram após a conversa do comerciante Sinfrônio Campelo com um dos revoltosos, em que concluíram que na vila as famílias estariam mais seguras. Na vila histórica de Feira do Pau, hoje Aparecida um grupo de 100 rebeldes roubaram o dinheiro do posto fiscal da divisa entre o Rio Grande do Norte e a Paraíba e retiraram os selos, que depois deixaram no telégrafo e foram encaminhados legalmente. Cotavam os mais velhos que na ocasião o capitão Luís Carlos Prestes foi entrevistado pela professora Ozelita Cascudo do Grupo Escolar Coronel Fernandes. O escritor Rostand Medeiros narra em seu livro João Rufino, um visionário da fé que:

Mercado de Luís Gomes-RN

Após saírem deste lugarejo, a coluna de revoltosos seguiu em direção aos Cacos (ou Cactos), e após passarem pela Ladeira dos Miuns, estiveram nos sítios Tigre, Imbé, São Bernardo, Feira do Pau e na pequena área urbana da cidade de Luís Gomes.

Em Luís Gomes se repetiram as “ações revolucionárias”, com uma sequência de saques de casas residências e comerciais. Foram provocados incêndios no cartório e na agência dos correios. Já no dia 6 de fevereiro, os revoltosos deixaram Luís Gomes e o Rio Grande do Norte, adentrando na Paraíba (MEDEIROS, 2011, p. 276-277).

2016 – 100 Anos da Coluna Prestes no Rio Grande do Norte.

O noventenário da Coluna Prestes não pode deixar de ser comemorado em nossas escolas. Em 2007 a Escola Estadual Coronel Fernandes e seus professores Luciano Pinheiro, Margarida Belo e Wilca Oliveira realizaram importante resgate por meio de um projeto intitulado A história e a cultura dos povos da Serra do Bom Jesus em que entrevistaram pessoas que presenciaram o fato, como o senhor Pedro Belo morador do sítio Tigre.

A proposta pedagógica do nosso Educandário Raízes do Saber busca inscrever a história local e regional na história nacional. Equivocadamente muitas escolas trabalham em separado, como se o que acontecesse no país não se refletisse no interior ou como se os acontecimentos do interior nordestino não fizessem parte da história do Brasil. Rememorar a passagem da Coluna Prestes em nossa região é inscrever a nossa história na memória dos brasileiros.

Autor – Ciro Leandro- Doutorando em Letras (UERN)

http://tokdehistoria.com.br/2015/07/02/nas-veredas-da-coluna-prestes-preparando-a-memoria-para-os-90-anos-da-passagem-dos-revoltosos/

http://blogdomendesemendes.blogspot.com