Seguidores

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

NOVO LIVRO NA PRAÇA "O PATRIARCA: CRISPIM PEREIRA DE ARAÚJO, IOIÔ MAROTO".


O livro "O Patriarca: Crispim Pereira de Araújo, Ioiô Maroto" de Venício Feitosa Neves será lançado em no próximo dia 4 de setembro as 20h durante o Encontro da Família Pereira em Serra Talhada.

A obra traz um conteúdo bem fundamentado de Genealogia da família Pereira do Pajeú e parte da família Feitosa dos Inhamuns.

Mas vem também, recheado de informações de Cangaço, Coronelismo, História local dos municípios de Serra Talhada, São José do Belmonte, São Francisco, Bom Nome, entre outros) e a tão badalada rixa entre Pereira e Carvalho, no vale do Pajeú.

O livro tem 710 páginas. 
Você já pode adquirir este lançamento com o Professor Pereira ao preço de R$ 85,00 (com frete incluso) Contato: franpelima@bol.com.br 
fplima1956@gmail.com

http://lampiaoaceso.blogspot.com.br/2016/08/novo-livro-na-praca_31.html

http://blogdomendesemendes.blogspot.com

Livro "Lampião a Raposa das Caatingas"


Depois de onze anos de pesquisas e mais de trinta viagens por sete Estados do Nordeste, entrego afinal aos meus amigos e estudiosos do fenômeno do cangaço o resultado desta árdua porém prazerosa tarefa: Lampião – a Raposa das Caatingas.

Lamento que meu dileto amigo Alcino Costa não se encontre mais entre nós para ver e avaliar este livro, ele que foi meu maior incentivador, meu companheiro de inesquecíveis e aventurosas andanças pelas caatingas de Poço Redondo e Canindé.

O autor José Bezerra Lima Irmão

Este livro – 740 páginas – tem como fio condutor a vida do cangaceiro Lampião, o maior guerrilheiro das Américas.

Analisa as causas históricas, políticas, sociais e econômicas do cangaceirismo no Nordeste brasileiro, numa época em que cangaceiro era a profissão da moda.

Os fatos são narrados na sequência natural do tempo, muitas vezes dia a dia, semana a semana, mês a mês.

Destaca os principais precursores de Lampião.
Conta a infância e juventude de um típico garoto do sertão chamado Virgulino, filho de almocreve, que as circunstâncias do tempo e do meio empurraram para o cangaço.

Lampião iniciou sua vida de cangaceiro por motivos de vingança, mas com o tempo se tornou um cangaceiro profissional – raposa matreira que durante quase vinte anos, por méritos próprios ou por incompetência dos governos, percorreu as veredas poeirentas das caatingas do Nordeste, ludibriando caçadores de sete Estados.
O autor aceita e agradece suas críticas, correções, comentários e sugestões:

(71)9240-6736 - 9938-7760 - 8603-6799 

Pedidos via internet:
Mastrângelo (Mazinho), baseado em Aracaju:
Tel.:  (79)9878-5445 - (79)8814-8345

Clique no link abaixo para você acompanhar tantas outras informações sobre o livro.
http://araposadascaatingas.blogspot.com.br
http://blogdomendesemendes.blogspot.com

LIVRO “PARAHYBA NOS TEMPOS DO CANGAÇO”

Por Antonio Corrêa Sobrinho

O que dizer de “PARAHYBA NOS TEMPOS DO CANGAÇO”, livro do amigo Ruberval de Souza Silva, obra recém-lançada, que acabo de ler, senão que é trabalho respeitável, pois fruto de muito esforço, dedicação; que é texto bom, valoroso, lavra de professor, um dizer eminentemente didático da história do banditismo cangaceiro na sua querida Paraíba. É livro de linguagem simples, sucinto e objetivo, acessível a todos; bem intitulado, pontuado, bem apresentado. E que capa bonita, rica, onde nela vejo outro amigo, o Rubens Antonio, mestre baiano, dos primeiros a colorizar fotos do cangaço! A leitura de “PARAHYBA NOS TEMPOS DO CANGAÇO” me fez entender de outra forma o que eu antes imaginava: o cangaço na terra tabajara como apenas de passagem. Parabéns e sucesso, Ruberval!

Adendo: José Mendes Pereira

Eu também recomendo aos leitores do nosso blog para lerem esta excelente obra, e veja se alguns dos leitores  possam ser parentes de alguns cangaceiros registrados no livro do Ruberval Souza.

ADENDO -  http://blogdomendesemendes.blogspot.com

Entre em contato com o professor Pereira através deste 
e-mail: 
franpelima@bol.com.br

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1022616384533904&set=gm.554349684773980&type=3&theater

http://blogdomendesemendes.blogspot.com

ASCRIM/PRESIDENCIA – SESSÃO MAGNA ACJUS – OFÍCIO 094/2017.


MOSSORÓ (RN), 23.08.2017   

REENVIADO A PEDIDOS

     É DA PRAXE DESTA PRESIDENCIA, QUANDO OFICIALMENTE CONVIDADO, DIGNAR-SE RESPONDER AOS ECLÉTICOS CONVITES DOS PRESIDENTES DE SUAS CO-IRMÃS. EXEMPLO QUE NOTABILIZA O VIÉS DE UM PRESIDENTE CORRESPONDER A ESSE ECLETISMO, PORQUE SABE A DIFERENÇA ENTRE O LIAME DA PARTILHA E DO PRESTÍGIO QUE ASCENDE E CRESCE NO INTERCÂMBIO ENTRE SEUS PARES.
   NESTA SINTONIA, UM CONVITE PARA PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CULTURAIS E A CONFIRMAÇÃO, INTERCAMBIADOS ENTRE ENTIDADES CULTURAIS, MERECE E FUNCIONA COMO UM “FEEDER”, EVIDENTE, REPASSADO A TODOS OS ACADÊMICOS DE SEUS CORPOS SOCIAIS, PELO SEU PRÓPRIO PRESIDENTE, CUJO ESSE FEEDBACK ALIMENTA, NATURALMENTE O FERVOR E A CONSIDERAÇÃO EM QUE SINGRAM OS INTELECTUAIS DESSAS PLÊIADES.
  DESTA FORMA, AGRADECENDO AO EXCELENTÍSSIMO PRESIDENTE DA ACJUS, DR.  JOSÉ WELLINGTON BARRETO, PELO CONVITE, RESERVO-ME ATRIBUIR MESMO VALOR DE PARTILHA, DIZENDO QUE É UMA HONRA CONFIRMAR MINHA PRESENÇA A SESSÃO MAGNA DE ELOGIO AOS PATRONOS DAS CADEIRAS 15 E 38, NO DIA 24.08.2017(QUINTA-FEIRA), em Josué Buffet às 19h. (conforme convite anexo), AO TEMPO EM QUE REPASSO, A TÍTULO DE LEMBRETE,  O ASSUNTO DO ALVO CONVITE DE IGUAL MODO, POR CÓPIA,  AS EXCELENTÍSSIMAS AUTORIDADES GOVERNAMENTAIS,  ACADÊMICOS DA ASCRIM E POTENCIAIS CANDIDATOS A ACADEMICOS DA ASCRIM, ILUSTRES PRESIDENTES DE ENTIDADES CULTURAIS E DIRIGENTES DE INSTITUIÇÕES PÚBLICAS E PRIVADAS, POR SER DO INTERESSE, CLARO, DOS MESMOS, TOMAREM CONHECIMENTO E DIGNAREM-SE, DO SEU MISTER, CONFIRMAR SUAS PRESENÇAS, JUNTAMENTE COM AS EXCELENTÍSSIMAS FAMÍLIAS CONSORTES.
   COMUNICO, OUTROSSIM, QUE OS ACADÊMICOS DA ASCRIM, QUE COMPARECEREM AO EVENTO SUPRAMENCIONADO, DEVEM CUMPRIR O RIGOR OBRIGATÓRIO DE USO DO UNIFORME OFICIAL (VESTE TALAR), CONSOANTE NORMA ESTATUTÁRIA, ATRIBUTO DIGNITÁRIO DO DECORO INTELECTUAL.  

SAUDAÇÕES ASCRIMIANAS,
FRANCISCO JOSÉ DA SILVA NETO
-PRESIDENTE DA ASCRIM-
-

C/CÓPIA PARA OS PRESIDENTES E DIRIGENTES DE ENTIDADES GOVERNAMENTAIS.
C/CÓPIA PARA OS PRESIDENTES DE ENTIDADES E INSTITUIÇÕES PÚBLICAS E PRIVADAS
C/CÓPIA PARA OS PRESIDENTES DE ENTIDADES CULTURAIS.
C/CÓPIA PARA JORNALISTAS E COMUNICADORES,
C/CÓPIA PARA OS ACADÊMICOS DA ASCRIM,
C/CÓPIA PARA OS POTENCIAIS CANDIDATOS A ACADÊMICOS DA ASCRIM.

Enviado pelo professor, escritor, pesquisador do cangaço e gonzaguiano José Romero de Araújo Cardoso

http://blogdomendesemendes.blogspot.com

POR QUE LUIZ GONZAGA USAVA CHAPÉU DE CANGACEIROS?

https://www.youtube.com/watch?v=IKYujUuG2p4&app=desktop

Publicado em 23 de ago de 2017
Link do canal cangaço na literatura https://m.youtube.com/channel/UCCW4a4...
Categoria
Licença
Licença padrão do YouTube

https://www.facebook.com/groups/lampiaocangacoenordeste/?multi_permalinks=694704674071813%2C694695720739375%2C694667364075544%2C694372110771736%2C694360810772866&notif_t=group_activity&notif_id=1503445649167693

http://blogdomendesemendes.blogspot.com

RELAÇÃO DE LIVROS À VENDA (PROFESSOR PEREIRA - CAJAZEIRAS/PB). O MAIOR ACERVO DE LIVROS À VENDA SOBRE OS TEMAS NORDESTE E CANGAÇO. GARANTIA DE QUALIDADE E ENTREGA DO MATERIAL.

Por Geraldo Júnior

Clique no link abaixo e escolha na lista de livros o seu, aquele que você faz tempo que vinha o procurando. 

Todos os livros solicitados pelos leitores são entregues em qualquer parte do Brasil, o mais rápido possível. 

Não deixa para depois, livros com tema cangaço são arrebatados elos leitores, principalmente pelos colecionadores, e estes poderão deixar você sem o seu. 

http://josemendespereirapotiguar.blogspot.com.br/2017/08/relacao-de-livros-venda-professor.html

http://blogdomendesemendes.blogspot.com

CURIOSIDADES. VOCÊ SABIA...

Por Geraldo Júnior

... que em Angico Lampião foi alvejado por três tiros?

Um dos projéteis atingiu a região do baixo ventre do cangaceiro e um segundo pegou um pouco acima do peito esquerdo nas proximidades do coração. Um terceiro tiro foi disparado pelo então Soldado Panta de Godoy, quando Lampião já se encontrava caído e agonizando. O tiro disparado pelo Soldado atingiu a face de Lampião e o projetil saiu através da calota craniana.

Fotografia: Acervo do confrade Voltaseca Volta (Grupo Lampião, cangaço e Nordeste)

Acima, a fotografia da cabeça de Lampião que na época encontrava-se exposta no Museu do Instituto Médico-Legal Dr. Nina Rodrigues em Salvador/BA.

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=799848213512410&set=a.703792683117964.1073741835.100004617153542&type=3&theater

http://blogdomendesemendes.blogspot.com

SAUDAÇÃO A TODOS OS COMPONENTES DA IRMANDADE DOS NEGROS DO ROSÁRIO DE POMBAL/PB, NEGROS DOS PONTÕES, CONGOS E REISADOS NO DIA DO FOLCLORE.

Por José Tavares de Araújo Neto

Neste 22 de agosto, DIA DO FOLCLORE, saúdo todos os componentes da Irmandade dos Negros do Rosário de Pombal/PB, Negros dos Pontões, Congos e Reisados, estes verdadeiros heróis da cultura pombalense, que ao longo dos séculos tem superado todas as dificuldades na inarredável defesa das nossas mais puras tradições.

Viva os Negros dos Pontões!
Viva os Congos!
Viva o Reisado!
Viva a irmandade do Rosário!
Viva o Folclore Pombalense!


Enviado pelo professor, escritor, pesquisador do cangaço e gonzaguiano José Romero de Araújo Cardoso

http://blogdomendesemendes.blogspot.com

J. SOBRINHO - SAUDADES DO PAPA JOÃO PAULO II E DO FREI DAMIÃO - 2002.wmv

https://www.youtube.com/watch?v=W_Olg3FoTPs&feature=youtu.be

Publicado em 30 de abr de 2011
Quando fiz esta música, Frei Damião, naturalmente, já havia falecido. O Papa João Paulo II, não. Ambos estão nos fazendo muita falta, já que eram verdadeiramente homens de muita fé, de missões, de paz. São exemplos que deveríamos copiar. Só nos lembrarmos já é bastante para refletirmos sobre a vida, sobre o amor, sobre DEUS!
Categoria
Licença
Licença padrão do YouTube

http://blogodmendesemendes.blogspot.com


O POETA MOSSOROENSE ANTONIO FRANCISCO COM FÁTIMA BERNARDES

A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, texto

Sexta-feira dia 25 deste mês de 2017, encontro do poeta mossoroense Antonio Francisco com a jornalista da Globo Fátima Bernardes. 

https://www.youtube.com/watch?v=3uppIsY1YZk

Antônio Francisco Teixeira de Melo (Mossoró21 de outubro de 1949) é um cordelista potiguarÉ filho de Francisco Petronilo de Melo e Pêdra Teixeira de Melo.

Graduado em História pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN). Poeta popular, cordelista, xilógrafo e compositor, ainda confecciona placas.

Aos 46 anos, muito tardiamente, começou sua carreira literária, já que era dedicado ao esporte, fazia muitas viagens de bicicleta pelo Nordeste e não tinha tempo para outras atividades. Muitos de seus poemas já são alvo de estudo de vários compositores do Rio Grande do Norte e de outros estados brasileiros, interessados na grande musicalidade que possuem ele estudou na escola situada em Mossoró na (UERN). Ele não era analfabeto como Patativa do Assaré

Em 15 de Maio de 2006, tomou posse na Academia Brasileira de Literatura de Cordel, na cadeira de número 15, cujo patrono é o saudoso poeta cearense Patativa do Assaré. A partir daí, já vem sendo chamado de o “novo Patativa do Assaré”, devido à cadeira que ocupa e à qualidade de seus versos. (Wikipédia)


Vídeo acima publicado em 16 de mai de 2014

Neste segundo vídeo o Poeta mossoroense Antônio Francisco declama o poema "A casa que a fome mora". O artista se apresentou durante o II Seminário Internacional Diálogos com Paulo Freire, em abril. Você gosta de causos e poemas? Aprecia a cultura tipicamente nordestina/regional? Então fique ligado, em breve o seu Canal Extra Classe Web TV disponibilizará mais causos e poemas do poeta de Mossoró.
Categoria
Licença
Licença padrão do YouTube

A CASA QUE A FOME MORA

POESIA DO GRANDE POETA ANTÔNIO FRANCISCO POSTADA POR JOSÉ AUGUSTO EM 14-02-2010.

A Casa que a Fome Mora

Eu de tanto ouvir falar
Dos danos que a fome faz,
Um dia eu sai atrás
Da casa que ela mora.
Passei mais de uma hora
Rodando numa favela
Por gueto, beco e viela,
Mas voltei desanimado,
Aborrecido e cansado.
Sem ter visto o rosto dela.

Vi a cara da miséria
Zombando da humildade,
Vi a mão da caridade
Num gesto de um mendigo
Que dividiu o abrigo,
A cama e o travesseiro,
Com um velho companheiro
Que estava desempregado,
Vi da fome o resultado,
Mas dela nem o roteiro.

Vi o orgulho ferido
Nos braços da ilusão
Vi pedaços de perdão
Pelos iníquos quebrados,
Vi sonhos despedaçados
Partidos antes da hora,
Vi o amor indo embora,
Vi o tridente da dor,
Mas nem de longe via a cor
Da casa que a fome mora.

Vi num barraco de lona
Um fio de esperança,
Nos olhos de uma criança,
De um pai abandonado,
Primo carnal do pecado,
Irmão dos raios da lua,
Com as costas seminuas
Tatuadas de caliça,
Pedindo um pão de justiça
Do outro lado da rua.

Vi a gula pendurada
No peito da precisão,
Vi a preguiça no chão
Sem ter força de vontade,
Vi o caldo da verdade
Fervendo numa panela
Dizendo: aqui ninguém come!
Ouvi os gritos da fome,
Mas não vi a boca dela.

Passei a noite acordado
Sem saber o que fazer,
Louco, louco pra saber
Onde a fome residia
E por que naquele dia
Ela não foi na favela
E qual o segredo dela,
Quando queria pisava,
Amolecia e Matava
E ninguém matava ela?

No outro dia eu saio
De novo a procura dela,
Mas não naquela favela,
Fui procurar num sobrado
Que tinha do outro lado
Onde morava um sultão.
Quando eu pulei o portão
Eu vi a fome deitada
Em uma rede estirada
No alpendre da mansão.

Eu pensava que a fome
Fosse magricela e feia,
Mas era uma sereia
De corpo espetacular
E quem iria culpar
Aquela linda princesa
De tirar o pão da mesa
Dos subúrbios da cidade
Ou pisar sem piedade
Numa criança indefesa?

Engoli três vezes nada
E perguntei o seu nome
Respondeu-me: sou a fome
Que assola a humanidade,
Ataco vila e cidade,
Deixo o campo moribundo,
Eu não descanso um segundo
Atrofiando e matando,
Me escondendo e zombando
Dos governantes do mundo.

Me alimento das obras
Que são superfaturadas,
Das verbas que são guiadas
Pro bolsos dos marajás
E me escondo por trás
Da fumaça do canhão,
Dos supérfluos da mansão,
Da soma dos desperdícios,
Da queima dos artifícios
Que cega a população

Tenho pavor da justiça
E medo da igualdade,
Me banho na vaidade
Da modelo desnutrida
Da renda mal dividida
Na mão do cheque sem fundo,
Sou pesadelo profundo
Do sonho do bóia fria
E almoço todo dia
Nos cinco estrelas do mundo.

Se vocês continuarem
Me caçando nas favelas,
Nos lamaçais das vielas,
Nunca vão me encontar,
Eu vou continuar
Usando o terno Xadrez,
Metendo a bola da vez,
Atrofiando e matando,
Me escondendo e zombando
Da Burrice de vocês.

Postado por UMA ACORDA DE CORDEL

http://cordeljoseaugusto.blogspot.com.br/2010/02/casa-que-fome-mora_973.html

Enviado pelo professor, escritor, pesquisador do cangaço e gonzaguiano José Romero de Araújo Cardoso

http://blogdomendesemendes.blogspot.com

terça-feira, 22 de agosto de 2017

LAMPIÃO, MARIA BONITA A SOMBRA DO UMBUZEIRO ÓLEO SOBRE TELA MEDINDO 80X100 ESPERO QUE GOSTEM!!


Lampião, Maria Bonita à sombra do umbuzeiro 
Óleo sobre tela medindo 80x100
Espero que gostem!!



https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1011593538982978&set=gm.1818741578438345&type=3&theater

http://blogodmendesemendes.blogspot.com

CAPIVARA SEM VEZ

Clerisvaldo B. Chagas, 22 de agosto de 2017
Escritor Símbolo do Sertão Alagoano
Crônica 1.720

No Brasil, falar em qualquer tipo de benefício é sempre difícil. E quando o tema é parque nacional, demarcação de terras indígenas, reforma agrária, o sofrimento sempre foi enorme e dorido. Tenho admirado o trabalho exaustivo da arqueóloga Niéde Guidon – expressivo orgulho nacional – sua guarda e preocupação com o Parque Serra da Capivara, em São Raimundo Nonato, Piauí. Neste País é uma batalha quase sem fim para se fundar um parque e uma luta sem fim para conservá-lo. Além da indiferença oficial das autoridades, a batalha é dura e renhida contra as ações do tempo e das invasões dos maus intencionados. Coitada da heroína, lutando e dando sua vida pelo patrimônio cultural do Brasil, quando ela mesma já é expoente do mundo na ciência que abraçou.

SERRA DA CAPIVARA. (Foto divulgação).

Veja o que aconteceu no Parque Nacional da Serra da Capivara a cerca de 530 km da capital Teresina: “Segundo a Polícia Militar de São Raimundo Nonato, um dos municípios que compõem o parque, pelo menos quatro pessoas estavam caçando animais dentro dos limites da Serra da Capivara. Ao serem identificados por três guardas, entraram em conflito e se envolveram em um tiroteio. Dois funcionários ficaram feridos e o outro morreu. Outro dois suspeitos tiveram ferimentos, foram localizados neste sábado (28) e encaminhados para um hospital de Floriano (a aproximadamente 250 km da capital). O restante do grupo conseguiu fugir. A polícia faz buscas na região”.
Veja mais: “O confronto aconteceu no município de João Costa. O Parque Nacional da Serra da Capivara foi criado em 1979 e, desde 1991, é considerado Patrimônio Cultural pela UNESCO. Parte de um corredor ecológico de 414 mil hectares, o parque é um dos principais centros científicos de arte rupestre do mundo, com escavações que revelaram vestígios de mais de 50.000 anos e mais de 900 sítios arqueológicos catalogados”.
Numa proporção muito menor, a conservação da Reserva Tocaia em Santana do Ipanema, não fica atrás dessas preocupações. O que o senhor Alberto Filho, enfrenta todos os dias na reserva, seria motivo de uma conferência para todos os santanenses. Ah! Muitas autoridades ligadas ao tema nem gostariam de ouvir.


http://blogodmendesemendes.blogspot.com

PÁGINA VIRADA

*Rangel Alves da Costa

Não adianta chorar. Não adianta sofrer. O destino não é de ninguém, apenas do destino. Errôneo é imaginar que tudo acontece segundo o desejo próprio. No outro lado está o outro e o próprio destino.
Sim, o fato aconteceu, a tristeza veio, o chão parece que vai desabar. Fingir não adianta. O que se esconde é apenas a verdade. Não há outra coisa a fazer senão enfrentar a realidade. Ainda que lanhando a pele ou apunhalando o peito.
Há que se ter em mente as palavras do Eclesiastes: É ilusão, é ilusão. Tudo é ilusão.  Pessoas nascem e pessoas morrem, mas o mundo continua sempre o mesmo. O sol continua a nascer, e a se pôr, e volta ao seu lugar para começar tudo outra vez.  O vento sopra para o sul, depois para o norte, dá voltas e mais voltas e acaba no mesmo lugar.
E principalmente ensina: Tudo neste mundo tem o seu tempo; cada coisa tem a sua ocasião.  Há tempo de nascer e tempo de morrer; tempo de plantar e tempo de arrancar;  tempo de matar e tempo de curar; tempo de derrubar e tempo de construir.  Há tempo de ficar triste e tempo de se alegrar; tempo de chorar e tempo de dançar;  tempo de espalhar pedras e tempo de ajuntá-las; tempo de abraçar e tempo de afastar.  Há tempo de procurar e tempo de perder; tempo de economizar e tempo de desperdiçar;  tempo de rasgar e tempo de remendar; tempo de ficar calado e tempo de falar.  Há tempo de amar e tempo de odiar; tempo de guerra e tempo de paz. 
Então, alguma lição extraída do Eclesiastes? Repito: Não adianta chorar. Não adianta sofrer. O destino não é de ninguém, apenas do destino. Errôneo é imaginar que tudo acontece segundo o desejo próprio. No outro lado está o outro e o próprio destino.
Drummond, nosso poeta maior, também já dizia no seu poema Consolo na Praia: Vamos, não chores... A infância está perdida. A mocidade está perdida. Mas a vida não se perdeu. O primeiro amor passou. O segundo amor passou. O terceiro amor passou. Mas o coração continua. Perdeste o melhor amigo. Não tentaste qualquer viagem. Não possuis casa, navio, terra. Mas tens um cão. Algumas palavras duras, em voz mansa, te golpearam. Nunca, nunca cicatrizam. Mas, e o 'humour'? A injustiça não se resolve à sombra do mundo errado. Murmuraste um protesto tímido. Mas virão outros. Tudo somado, devias  precipitar-te, de vez, nas águas. Estás nu na areia, no vento... Dorme, meu filho.
E assim por que tudo passa. Não há dor que perdure eternamente, não há sofrimento que persista além do tempo próprio de sofrer. O ser humano possui limites e o ponto de alcance de tal limite sempre está na própria consciência humana. Então, por que continuar sofrendo, padecendo, se a porta pede para ser aberta e lá fora há um mundo a ser vivido?
É preciso fazer da dor, da angústia, do sofrimento, da aflição e do desamor, uma página virada. Tudo nela já foi escrito, tudo nela já confirmou aquilo que não se desejaria. Continuar nesta página é reler e reescrever tudo aquilo que não se deseja mais. É preciso encontrar página nova, é preciso escrever um canto novo, é preciso ir além de toda ilusão perdida.
Os lenços molhados encharcam as esperanças. Os olhos tristes não permitem sorrisos aos horizontes. As portas fechadas e os quartos escurecidos pedem luz, uma luz que nem sempre a própria pessoa permite entrar. É preciso estender os lenços nos varais. Logo a ventania cuidará de dar vida nova ao que tanto escorreu na dor. E os caminhos estão abertos aos passos que não mais desejam ficar.
Os amores vêm e os amores vão quando já não são mais amores. O coração não merece ser forçado a aceitar aquilo que não existe mais. Outros amores chegarão e outros amores ficarão se forem cumpridas as promessas de amar. Um dia assim acontecerá. Então rasgue essa página, vire a página, escreva na realidade da vida a sua nova história.

Escritor
blograngel-sertao.blogspot.com

http://blogodmendesemendes.blogspot.com

CONSELHOS DO PADRE CÍCERO A UM AMANCEBADO

Por Junior Almeida

Um sujeito vivia em Juazeiro nos tempos do Padre Cícero. Fugiu da seca em sua cidade, fenômeno que sempre judiou do nordestino, principalmente do camponês. Foi com mulher e filhos tentar a sorte na “Meca Sertaneja”, mas, que mesmo sendo considerada uma cidade santa, nunca deixou de ter suas tentações mundanas. Jogo, pistolagem, cachaça e rapariga, nunca faltaram em Juazeiro do Norte, desde que a vila com poucos ranchos de palha pertencente ao Crato.


Pois bem, o cidadão que fora viver em Juazeiro sob as bênçãos do "Padim", com as recomendações de que vivesse para família, plantando, colhendo e fazendo o bem, caiu na bagaceira e meteu o pau a jogar baralho a dinheiro, beber até cair e a se enxerir. Não podia ter um trocado no bolso que corria para as noitadas nos cabarés da cidade, para encher o fioofó de cana, jogar e quengar.

O cabra já vivia a um bocado de tempo nessa vida desregrada. A mulher e os filhos dele eram quem mais sofriam com essa situação, pois faltava a presença do homem da casa, faltava a paz do lar, e principalmente faltava o pão.

Cansada de tanto sofrimento, a mulher resolveu se aconselhar com o Padre Cícero, a quem contou todos os seus problemas. O religioso ouviu tudo atentamente, e só ao final da conversa foi que falou. Mandou que a mulher arrumasse uma pessoa que dissesse ao seu marido, que queria lhe falar. Assim foi feito, e a sofredora criatura deu um jeito para que o marido fosse ter com o velho padre.

O sujeito foi ligeiro ver o que o "Padim" queria. Padre Cícero foi direto ao assunto, dizendo que sabia que ele vivia amancebado com raparigas da cidade. Sem poder negar, o cabra admitiu as puladas de cerca, mas tentou se justificar, dizendo que sua mulher já estava velha.

- Pois faça o seguinte: disse o padre.

- Quando você estiver dormindo ao lado de uma dessas mulheres, se levante calado e acenda uma vela pra olhar pra ela. Concluiu o sacerdote.

O homem fez como o Patriarca do Juazeiro recomendou, e mais ou menos à meia noite, depois de ter farreado muito, levantou de ponta de pé, e no bolso de sua calça que estava pendurada num prego do quarto, pegou uma vela. Acendeu e clareou pro lado da cama. O cabra assombrou-se ao ver na cama uma enorme serpente no lugar de onde estava deitada a mulher com quem tinha passado a noite. Sem fazer barulho, saiu do quarto, da casa, e voltou a sua vida de trabalho e pra família.

Foto da estátua do Padre Cícero, no "Museu Vivo" do Alto do Horto, Juazeiro do Norte, Ceará.

Enviado pelo professor, escritor, pesquisador do cangaço e gonzaguiano José Romero de Araújo Cardoso

http://blogdomendesemendes.blogspot.com

TV GUANABARA NORDESTE EM 2 RODAS EM MOSSORÓ 2017


Enviado pelo professor, escritor, pesquisador do cangaço e gonzaguiano José Romero de Araújo Cardoso


http://blogdomendesemendes.blogspot.com

VAMOS TODOS!

Por Anita

Palmas pra Boechat no vídeo acima!


A resposta arrasadora de um professor  numa universidade dos EEUU, imperdível: https://youtu.be/l6En3WNCJek

Não podemos concordar com isto: O Vem Pra Rua, no domingo, vai protestar contra o fundo eleitoral. Nem isso parece animar as massas. A sociedade prefere ser extorquida em silêncio.


Neste caso parece que “quem vê cara, vê coração”:

Boa música pra esquecer a cara feia: Tokens - The Lion Sleeps Tonight

Abraços,
Anita

Enviado pelo professor, escritor, pesquisador do cangaço e gonzaguiano José Romero de Araújo Cardoso


http://blogdomendesemendes.blogspot.com

GONZAGÃO, CIDADÃO DE FLORESTA E DO MUNDO !

Caravana de Floresta e o Título de Cidadão a Luiz Gonzaga

A programação do Cariri Cangaço Exu 2017, por toda tarde do ultimo dia 22 de julho contemplaria ainda um conjunto significativo de homenagens ao Rei do Baião. O Parque Aza Branca foi também cenário da solenidade de entrega do Título de Cidadão do município de Floresta a Luiz Gonzaga do Nascimento, o Rei do Baião.

"Luiz Gonzaga havia recebido o titulo de cidadão de Floresta ainda em dezembro de 1979, titulo que foi aprovado por unanimidade, mas que nunca havia sido entregue oficialmente, dai tomamos a iniciativa; após consultar a atual Mesa Diretora do Câmara Municipal de Floresta, que tem a frente o vereador Beto Souza; de fazer essa entrega aqui mesmo em Exu, e não poderia ser em momento mais espetacular: Dentro do nosso querido Cariri Cangaço e no Museu do Gonzagão, aqui no Parque Aza Branca, para nós foi uma honra" ressalta Bia Numeriano, vereadora de Floresta, responsável pela iniciativa.

Manoel Severo e a solenidade de entrega do 
Título de Cidadão de Floresta a Luiz Gonzaga

A solenidade contou com a presença do Prefeito do município de Exu, Raimundinho Saraiva, com o Presidente da Câmara Municipal de Floresta, Vereador Beto Souza, da Vereadora Bia Numeriano, do Curador do Cariri Cangaço, Manoel Severo, dos representantes da família do homenageado, Joquinha Gonzaga e Piloto, além de pesquisadores e historiadores de todo o Brasil que participavam do Cariri Cangaço Exu.

 Vereador Beto Souza, Presidente da Câmara Municipal de Floresta
Joquinha e o Museu do Gonzagão recebem em nome do Rei do Baião o Título de Floresta
 Joquinha Gonzaga fala em noma da Família do Homenageado

Para Manoel Severo "quando a querida vereadora Bia Numeriano conversou comigo sobre a possibilidade de entregarmos no Cariri Cangaço Exu o Título de Cidadão Florestano a Luiz Gonzaga, concedido ainda em 1979 por aquela augusta casa legislativa de Floresta, a emoção foi muito grande. Mais uma vez tivemos a oportunidade de perpetuar a memória de nossas raízes e esse ato aqui protagonizado pela Bia Numeriano, pelo Presidente Beto Souza, foi realmente precioso".

 Manoel Severo, Bia Numeriano e Manoel Serafim
 Manoel Severo e a emoção diante das palavras da vereadora Bia Numeriano
"Gostaría de dizer a todos e aproveitar esse momento para comunicar que neste próximo mês de agosto, no inicio do período legislativo de nossa Câmara Municipal de Floresta, estaremos dando entrada num Projeto de Lei concedendo desta vez, o Titulo de Cidadão Florestano ao Curador do Cariri Cangaço, meu amigo Manoel Severo Barbosa" Bia Numeriano

"Luiz Gonzaga é um cidadão do mundo e mais uma vez essa homenagem da Bia, do Beto Souza, da Câmara de Floresta, mostram isso e nada mais espetacular do que esse momento ter sido no Cariri Cangaço Exu" comemora Manoel Serafim, Conselheiro Cariri Cangaço.

Para o Conselheiro Cariri Cangaço, pesquisador e colecionador de Natal, Ivanildo Silveira, "Esse Cariri Cangaço surpreendeu a todos por sua dimensão, sua capacidade de unir pesquisadores de vários assuntos, temas importantes e palpitantes, a presença destas crianças maravilhosas: os dois Pedros, a Yasmim e linda Cecilia do Acordeon, enfim e ainda as grandes homenagens ao Rei do Baião como essa que acabamos de testemunhar da Câmara Municipal de Floresta".

Raimundinho Saraiva prefeito de Exu
Vice Prefeito de Água Branca, Maciel Silva, Prefeito Raimundinho Saraiva 
e Edvaldo Feitosa
Betinho Numeriano, Beto Souza, Ana Gleide Souza Leal e Manoel Serafim

"Exu vive um momento de festa, receber o Cariri Cangaço é uma honra e hoje testemunhamos realmente um dia especial, não só pelas palestras, as apresentações, a riqueza dos debates, mas também pela visita da Câmara Municipal de Floresta, através do presidente Beto Souza e da vereadora Bia, nesta solenidade marcante, o Cariri Cangaço já começa a deixar saudades" fala o Raimundinho Saraiva, prefeito municipal de Exu.

Cariri Cangaço Exu
Entrega de Título de Cidadão de Floresta
Parque Aza Branca
22 de Julho de 2017, Exu-Pernambuco

https://cariricangaco.blogspot.com.br/2017/08/gonzagao-cidadao-do-mundo.html

http://blogdomendesemendes.blogspot.com